Foi o silencio e o ambiente de luto que dominaram a noite de sexta-feira santa, que mais uma vez fez sair à rua a tradicional Procissão do Senhor Morto, organizada pela Irmandade da Santa Casa da Misericórdia das Alcáçovas e a Paróquia de São Salvador de Alcáçovas.

À hora marcada reunidos os fieis, saíram à rua numa declarada profissão de fé e apesar da chuva que se fazia sentir. De cabeça coberta, os cooperantes, mostrando a sua dor pela Paixão do Senhor Jesus, fez-se ouvir a matraca que rompeu o impetuoso silêncio, a bandeira e estandarte jacentes, pelas mãos das senhoras exibia-se o Sudário, das mesmas erguia-se o andor com a Imagem da Virgem Dolorosa.

A Verónica, de rosto prostrado e coberto pelo manto de luto, entre os umbrais da porta e precedida do Esquife onde jazia a Imagem do Senhor Jesus Morto, fez entoar o cântico do “ó vos omnes qui transitis per viam“, dando assim início a procissão. Quis Deus que de seguida se cessasse a chuva permitindo a realização plena da procissão.

A encerrar o corpo da procissão a banda da Sociedade União Alcáçovense entoando a marcha fúnebre.

A população residente nas artérias onde transitou a referida procissão, respondeu jubilosamente ao apelo feito, ornamentando as janelas e preparando pontualmente os Passos onde a procissão se deteve entoando aí a Verónica novamente o cântico do “ó vos omnes qui transitis per viam“.

Já na Igreja Matriz houve lugar ao fim da celebração com o enterro do Senhor. Solenemente depositado na urna, por dois irmãos da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia, enquanto a Verónica entoava o “ó vos omnes” e o Rev. Capelão incensava a venerada Imagem de Cristo Morto.

Foi com bater da tampa da urna que se findou toda a celebração da Procissão do Senhor Morto, momento no qual se afirmou ainda mais o silencio respeitoso dos fieis, que após o mesmo foram saindo silenciosamente da Igreja.